Virginia Costa

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

A artista pela artista



Nunca imaginei que um dia encontraria tanto prazer em pintar. Só lamento o fato de ter demorado tanto para descobrir essa habilidade. Talvez seja porisso que eu consiga passar tantas horas pintando, como se tentasse recuperar o tempo perdido. Por outro lado, o acesso, à internet me permite estudar história da arte, pesquisar técnicas e estilos, visitar museus e galerias, enfim, me ajuda a fazer os cursos que não tive oportunidade de fazer.
Como qualquer pessoa que começa a se descobrir, passei por algumas fases na pintura, experimentei várias técnicas e temas nessa busca, sempre tentando achar minha “cara”, procurando aquela pincelada que me deixasse confortável e por outro lado cuidando para que não me deixasse influenciar a ponto de copiar os artistas que admiro.
Hoje, com a série “Viagens”, acho que encontrei o tema e o estilo que me realizam. O tema é fascinante e inesgotável.
Quanto ao estilo, essa é uma coisa que me aborreceu muito no início, pois eu queira pintar quadros enormes, decorativos, impactantes , com texturas. É interessante, simplesmente não acontece ! Começo valente, com um pincel grande, muita tinta e com o tempo começo a alisar, alisar, inserir detalhes, demarcar os contornos, ressaltar o claro-escuro e a pintura volta a mostrar aquele meu estilo “realista”. Talvez seja por isso que eu tenha gostado tanto de fazer retratos em grafite. Gosto da precisão.
Um outro dilema foi o tamanho dos quadros. Essa série é 20x30 cm. Quanto menor o quadro, mais difícil é de pintar, ou seja, eu demoro muito pra terminar. Para completar, as pessoas tendem a valorizar a pintura de acordo com suas dimensões. Conclusão: minha produção caiu pela metade, mas nunca me senti tão realizada.
A ansiedade para terminar um quadro e começar outro e a busca interminável pelo aperfeiçoamento da técnica continuam. Precisarei de mais algumas vidas pra pintar tudo que gostaria.
Muitas vezes, quando olho para um quadro que pintei há algum tempo, vejo algum detalhe que poderia ser melhorado e começo a corrigir, só que acabo pintando o quadro todo novamente o que resulta em mais tempo, novas fotos, atualização dos registros etc. Mas não tem importância. Isso faz parte do meu crescimento artístico.
No futuro espero poder divulgar minhas obras pela multiplicidade, serigrafias ou giclês.
Talvez essa seja a saída.
Virginia 20/02/2007

Um comentário:

Anônimo disse...

Olá Virginia!Estava pesquisando imagens na net e deparei-me com uma foto de uma vitrina com vestidos de bailarinas...Que riqueza para os olhos a alma e o coração todos os seus registros. Falam silenciosamente limpando nosso espírito. como estou trabalhando dedicarei mais tempo depois para transcender no seu blog.Indicarei seu blog a amigos.
Um grande abraço
Sam (José Alves)