Virginia Costa

segunda-feira, 1 de julho de 2013

México -Cozumel

Para chegar até lá você tem que ir até Playa Del Carmen e pegar um ferryboat. Não sei se é sempre mas no dia que fui tinha música ao vivo e um bando de brasileiros e no fim a banda só tocava música brasileira e todos cantavam etc., foi uma farra engraçada e inesperada.
Cozumel é a maior ilha do México, tem 14 km de largura e 50 km de extensão.
 Esta escultura em bronze é linda, mostra os mergulhadores, peixes e corais com muitos detalhes.
Em primeiro plano, uma escultura de andorinhas.Isto porque a ilha era chamada pelos maias de "Cuzamil-Pectin", lugar das andorinhas. Os maias acreditavam que Cozumel era o lar espiritual de Ixchel, a Deusa da fertilidade e do amor. As mulheres maias vinham de todas as partes deste grande império para adorá-la em seus santuários na ilha. Diz a lenda que Ixchel agradecia às mulheres por terem lhe dedicado templos enviando seu pássaro predileto como sinal de gratidão. 
Acredita-se que os maias tenham se instalado na ilha há mais de 2000 anos para comercializar os frutos do mar que lá são muito abundantes. As conchas eram coletadas como um dos ingredientes do estuco que era muito usado no continente.
 O oceano também fornecia outros itens valiosos como dentes de tubarão, espinhas de arraias e outras conchas que eram usadas para rituais.
Fábrica de Tequilas.
Uma das lojas de charutos cubanos.
O explorador espanhol Juan de Grijalva chegou pela primeira vez em Cozumel em 1518. Um ano depois chegou o açougueiro Hernán Cortés. Estes conquistadores impiedosos invadiram a ilha destruindo tudo que havia pelo caminho. Até hoje se especula se os espanhóis trouxeram a varíola de propósito ou não mas o fato é que ela se espalhou entre os maias e aqueles que não morreram foram algemados e enviados para Cuba como escravos.
Entre 1519 e 1570 a população caiu de 40 mil para três mil. Por volta de 1600 a ilha estava praticamente às moscas. Logo se tornou uma base para os piratas que se escondiam em suas inúmeras enseadas e aterrorizaram o Caribe nos séculos 17 e 18. Em 1848 Cozumel foi retomada pelos maias e vieram também refugiados espanhóis brancos da longa e sangrenta "Guerra das Castas" do continente. Aos poucos foi sendo habitada novamente e em 1910-1917 com a Revolução Mexicana, houve reforma agrária e liberdade para os Isleños.
A popularidade do novo "doce" chamado chiclete nos EUA acabou levando a ilha ao crescimento. Cozumel era o port-of-call do chiclete e do coco na rota de exportação para a América Central. Durante a Segunda Guerra Mundial a Força Aérea Americana construiu uma base lá para lançar aeronaves em busca de submarinos alemães (U-boats). O primeiro hotel, o "Louvre", abriu em 1924. Depois da crise econômica dos anos 30 o desenvolvimento turístico estagnou.
Os mergulhadores começaram a chegar à ilha nos anos 50 com o advento dos equipamentos modernos de mergulho. Jacques Cousteau e sua equipe descobriram o paredão de recifes bem perto da costa da ilha e declarou ao mundo que aquele era um dos lugares mais incríveis do mundo para mergulho. Depois disto, já viu, né? Por volta de 1970 a população cresceu rapidamente para 10 mil e com a chegada do turismo aquela ilha antes desolada se tornou a jóia do Caribe Mexicano. Hoje tem uns 100 mil habitantes.
No meu pacote tinha refeição incluída mas eu vi logo que seria coisa pra turista e eu queria experimentar uma comida caseira autêntica. Vi esta casa simples com cardápio na porta e entrei. É um restaurante dentro da casa da família. 
Algumas mesas no quintal vazio por causa dos borrachudos.Preferi sentar lá fora, sozinha, porque estava mais fresco. Fui super bem atendida, comida ótima, as tortilhas mantidas quentes dentro duma espécie de bolsa de tecido, experimentei a água de hibiscos (bobinha de tudo) e ...
..ainda pude ver de perto o altar particular da família do Dia De Muertos.
Adoro estas "bandeirinhas" típicas que se vê pra todo lado e acabei achando pra comprar na Papelaria Cancún, super escondida no centro de Cancún.  

Um comentário:

Flora Maria disse...

Também adoro as cores e sons do México ! O artesanato - os vestidos bordados...
É tudo tão colorido, bonito, diferente. Gosto muito das músicas mexicanas também.