Virginia Costa

sábado, 10 de dezembro de 2016

Little Havana, Calle Ocho

Acordei meio sem saber por onde começar, então voltei para Wynwood. É um bairro que a gente vai descobrindo aos poucos. E dá-lhe tirar fotos!
Essa parede que estava sendo pintado no outro dia..
..agora está pronta.
Aproveitei para almoçar no Miam(sem o "i" mesmo) Café. Esse foi um achado do outro dia que gostei muito. Bonitinho, ar condicionado, banheiro, comida de verdade e free-wifi. Precisa mais? Comi o prato do dia, polvo com legumes gratinados. Valeu cada centavo, até o pão era delicioso.
Daí fui de trolley até downtown e comecei a perguntar como chegar a Little Havana. Pensei que fosse mais fácil. 
Foi uma luta, cada um falava uma coisa mas o problema é que a Calle Ocho só dá mão para um lado em toda sua extensão, ou seja, os ônibus só vem de lá para cá. Resolvi ir a  pé. Devo ter andado uns 20 quarteirões. 
Custei para chegar onde queria: a praça com os aposentados jogando dominó.
Eles ficam no Parque Máximo Gómez. 

 Jogar dominó lá é coisa séria. O lugar fica bem cheio e o pessoal é animado.
El nombre del parque se debe a Máximo Gómez Báez, uno de los generales de la Guerra de los Diez Años y el General en Jefe de las tropas revolucionarias cubanas en la Guerra del 95.
Fora isso,  muitos ônibus de turistas para pouca atração.
 O Tower Theater, é histórico. Construído em 1926, foi transformado numa jóia art Deco pelo arquiteto Robert Law Weed em 1931. Era uma cinema de bairro que passava filmes aos sábados. Em 1959, o brilhante pináculo de aço já recepcionava os refugiados cubanos quando chegavam às ruas de Little Havana. Em 1960 foi o primeiro cinema em Miami a adicionar legendas em espanhol. Agora o prédio foi restaurado e pertence à City of Miami. 
Ao longo da Calle Ocho, o galo de Morón, sobre o qual tem um monte de histórias a respeito.

 Achei que iria encontrar mais cores, mais cara de Cuba, mais lojas de charutos, mas não. Eu sabia que não seria grande coisa mas tinha que ir lá conferir. 

Nenhum comentário: