Virginia Costa

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Parque da Cidade e Museu do Folclore- São José dos Campos

O Museu do Folclore, criado em 1977, tem a função de pesquisar, proteger e divulgar a cultura popular do Vale do Paraíba, além de auxiliar os grupos de folclore da região. Sua sede foi construída na década de 30 para ser a residência do gerente da Tecelagem Parahyba. 
Quando Olivo Gomes assumiu a gerência, e depois a presidência da empresa, passou a morar na casa, sendo a residência da familia até 1952. Depois tornou-se casa de hóspedes e a partir de 1970 foi a moradia do gerente da fabrica. Em 1997, passou por obras para abrigar o Museu do Folclore.
Fica dentro do Parque da Cidade .Horário de Atendimento: terça a sexta-feira, das 9h às 17h; sábados e domingos, das 14h às 17h.
Estive lá por causa de um evento cultural que acontecerá duas vezes por mês de agora em diante, em frente ao tal museu.
Violeiros no evento. Sou fã e frequentadora assídua dos eventos relacionados à cultura e folclore do estado de São Paulo. Nasci em Barretos, meu avô dançava catira e tocava moda de viola. Sou uma autentica caipira e posso dizer que pouco conheço, tamanha a riqueza e diversidade da cultura do meu estado e de Mato Grosso do Sul, onde também vivi.
Mas o assunto do dia hoje é o Museu da Cultura de SJC. Resumindo: uma gracinha! O pouco que tem de informação é excelente. Preciosidades, bem colocadas, gostoso de ver. 
Me entristece ver que a exposição da nossa memória poderia ser imensa mas compreendo que deve ser por falta de verbas. De qualquer forma, o que está lá, está bem exposto, de forma didática e agradável de ver. Adorei!
Fui a primeira a chegar no dia do primeiro de uma série de eventos programados para o ano. Achei que seria uma coisa "grande", mas não. Depois entendi que serão três "atrações" por vez. Os violeiros acima eram parte do evento.  
 Tinha a Dona Vanda que faz um doce chamado espécia e a gente podia degustar. Nele vai rapadura escura, farinha de mandioca, pimenta do reino e gergelim socado no pilão. Quer saber? Adorei, tem um gostinho de amendoim, é molhadinho, meio pirão, não é muito doce. Gostei mesmo. Pode-se encomendar:(12)98270-6567.
Daí tinha o figureiro, Sr Adão Silvéiro, fazendo esculturas em barro. Sobre os figureiros eu já contei AQUI no blog.
Por mais que eu faça caminhadas nesse parque, sempre me surpreendo.
  Dessa vez vi essa trepadeira maluca. Ficção científica? Que coisa mais chocante esse "papo de peru"!. 

 Tem plantas que a gente não acredita que existem. Um exemplo é essa acima que eu mesma fotografei num hotel. Olhem só esse tom de azul!
De volta ao Museu do Folclore, gostei do destaque dado à mandioca e a todos os apetrechos usados pra beneficiá-la.
 Amei o display dos santos negros e também os dizeres sobre a identidade cultural.
 Na entrada a gente vê os típicos pavões feitos pelos figureiros. Lindos!
Falei sobre as figureiras de Taubaté AQUIFora isso, no mesmo parque, acontece o meu evento favorito, o Revelando São Paulo
  Agora tem uma novidade, o Espaço 4 Patas,um local para as pessoas que tem cachorros. Vários obstáculos e coisas interessantes para adestramento. É o maior do Brasil!
 
 Outro detalhe, de repente você se depara com uma escultura num tronco de árvore.
 Coisas do Tatão, um ex piloto de caça, artista tardio e amante de pássaros que aproveita essa madeira que cai e nos presenteia com sua arte.
 Infelizmente, uma das maiores atrações do parque,a  antiga sede da fazenda, com projeto de Rino Levi e jardins de Burle Marx, está fechada para restauro. 

O parque não abre na segunda feira, ta?

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Caveiras Mexicanas

Gosto tanto do México e das coisas relacionadas a ele! Acabei pintando esse quadrinho vertical inspirada pelo Dia De Muertos.
As cabacinhas eu pintei há tempos. Uma de cada jeito e de vários países.