quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Bento Gonçalves , a cidade

 Eu e minha amiga Lisbeth fomos de avião até Porto Alegre e de lá já havíamos alugado um carro pela Movida. Eu não conhecia essa empresa e fiquei satisfeita com a agilidade deles. Deu tudo certo. Zero burocracia.
Depois que se sai da grande Porto Alegre a paisagem vai ficando bonitinha e foi um prazer ver essa placa.
Levamos mais ou menos duas horas para chegar de Porto Alegre a Bento Gonçalves.Isso por que paramos, erramos etc. Esse é o portal da cidade, na verdade, eles o chamam de Pipa Pórtico. Aliás, a pipa, o vinho, a uva, as folhas de parreira são os símbolos dessa cidade simpática.
 
Estes símbolos estão por todo lado e mais marcantes nas calçadas da Via del Vino, no centro da cidade.
E que tal uma fonte de vinho? Pois é, tem lá na mesma Via del Vino. 
Os primeiros imigrantes italianos começaram a chegar a partir de 1875 mas esses não trouxeram consigo as mudas de videira. Com o tempo, fazendo trocas e serviços com outros imigrantes é que eles tiveram contato com os alemães que já estavam na região e produziam vinho para seu próprio consumo. Bom, imaginem o tamanho dessa história e não sou eu que vou contá-la. 
Para você ter uma idéia, a Igreja de São Bento é em forma de pipa e dentro dela tem vários detalhes com tonéis, como o próprio altar e uvas gravadas nos bancos. São Bento é o protetor dos vinhateiros. Reparem bem na foto.
Os vitrais são muito bonitos e esse formato inusitado da igreja foi para homenagear os imigrantes italianos.
Na mesma praça, tem essa escultura impressionante, em bronze, pesando 121 toneladas. É o Monumento aos Imigrantes Italianos e reflete o esforço e o trabalho de tantos homens e mulheres que ajudaram a dar a personalidade que hoje tem essa cidade. 
Mais uma vez, aluguei um apartamento pelo AirBnB e adorei. Contei AQUI no blog várias outras experiências que deram super certo.
Super completo, tinha de tudo mesmo, até gaveta com panos de prato arrumadinhos e limpíssimos. Coisa de gente caprichosa mesmo.
 Parece que a gente estava na casa de um amigo que viajou bastante. Casa de gente de verdade, com taças de vinho bonitas, várias lembranças de viagens, livros,muito bom mesmo. Deixou também arrumadinho vários mapas e guias da região.
E o quarto? Olha que simpático!
A sala com uma sacadinha, andar bom, wifi, cable TV, garagem. Tudo ótimo.
Tinha inclusive uma bela vista para as montanhas e vinhedos. Bom, para encerrar o assunto, esse é o apartamento Austrália, do Mauro e está no Airbnb
No dia que chegamos, saímos para jantar. Nos indicaram a Rua Herny Hugo Dreher, onde se concentra um maior numero de bons restaurantes. De fato, passeamos por lá e é tudo muito bonito, locais modernos, muitas hamburguerias e até passamos em frente a um dos restaurantes que dizem ser muito bom, o Canta Maria. Mas eu cismei de comer no Caldeira Restaurante porque tinha lido muito que a comida era ótima.
Acertamos em cheio. Atendimento excelente e o dono, Rafael Caldeira, super simpático, comida maravilhosa. 
O forte da casa é o ossobuco com polenta mole mas seria muito para nós duas então optamos por um filé ao molho de queijo e nata. Ótimo! Os pratos são muito bem servidos e a decoração da casa tem toques modernos e rústicos.
O restaurante fica num bairro residencial, numa casa fechada. Isso dá uma sensação de segurança e de intimismo. Rua Antonio Ducatti 138.
Também no centro, visitamos a Igreja de Santo Antonio.
 Mania minha, adoro visitar igrejas. Me faz bem essa paradinha para agradecer a benção de poder estar alí, num lugar diferente, vendo coisas lindas.
O altar é de mármore Carrara, as estátuas de Cristo e de Santo Antonio são de madeira maciça esculpida. As pinturas retratam os milagres de Santo Antonio.
Uma ótima dica na cidade é tomar café da manhã na Dolce Gusto. Fica no centro, ali perto dessa igreja acima. Tem várias opções do tipo mini mini quiche, mini docinhos e pasteizinhos, sanduíches, tortas lindas. É tudo de bom.
Aproveitei para perguntar lá no centro se tinha algum Mercadão na cidade. Não tem, não tem. Na falta dele, fomos explorar o supermercado em busca de produtos locais. Gulosas? Não, curiosas. Bonitos os rótulos das ervas, não?
Nos chamou a atenção o fato das casas serem tão bem conservadas e os jardins muito bem cuidados sem cercas entre as casas. Isso tudo na beira de estrada!
Ontem contei sobre O Caminhos de Pedra AQUI e depois conto sobre o Vale dos Vinhedos que é um dos roteiros mais procurados.

Um comentário:

lis vissotto disse...

Voltaria com certeza! Amei estes lugares e me imaginei passando uns dias ali naquela paz junto à natureza!