Virginia Costa

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Meu Instagram é Virginia4731

Gente, eu tenho colocado umas fotos bem interessantes no Instagram, todas originais. Por aqui tenho deixado para postar mais sobre as viagens com dicas práticas.
Anda tudo muito repetitivo na net, não acham? A gente vê as mesmas coisas no Facebook, no Instagram e ainda recebe em grupos do Whatsapp. Credo!

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Detesto me exercitar!

Eu moro no primeiro andar e a academia do prédio é no térreo. É só descer um lance de escada e eu chego rapidinho no inferno. Minha desculpa era o abafamento , mas só que  agora colocaram ar condicionado e eu, para ficar bem com meu cardiologista, tenho ido na calada da tarde, como uma gazela, cabreira, arisca, arredia, sem querer encontrar pessoas, tenho me esforçado, desde que não tenha viva alma por perto. Acabaram-se as desculpas!
Eu preparo meu espírito antes de descer. Escolho o horário de um programa de TV que eu gosto de ver e desço, valente, bem intencionada, calculando o perigo de encontrar outros humanos.  Hoje, num horário que todo ser humano normal deveria estar almoçando em casa, eu fui e dei de cara com uma mãe na esteira com cria ao pé ( termo que a gente usa na fazenda). A pobre criança, entediada, esparramada numa esteira malfunctioning, esperando a mãe.  Jesus! A TV da academia estava desligada. Coitada daquela criança! A que ponto  chegamos!  A bichinha mãe estava trotando no  8.50 e eu fico no 6.0 me segurando mesmo, como um polvo, medo danado de cair e virar videocassetada. Pois é, sabemos que hoje existe o temível Olho Que Tudo Sabe e Tudo Vê. Um fantasma que assola nossas vidas e que nos impede de arrumar a calcinha no elevador.
 Acho que nas academias as coisas funcionam como no banheiro dos homens. Como disse o Mentor Neto, tem uma ética. Eu não devo ficar olhando a velocidade que aquela  mulher ao meu lado está correndo e nem reparar se ela está suando, derretendo como eu, enfim, todo mundo faz cara de paisagem. Obvio que eu vi, de rabo de olho, que ela é uma louca desvairada que estava correndo há 40 minutos!!!  Benzadeus!!  Deveria ter trazido um brinquedo, sei lá, alguma coisa para aquela criança se distrair. Essa situação me estressou mais do que o martírio de ter que caminhar como um hamster  na esteira.  Eu só queria que ela fosse embora e libertasse aquela criança entediada, obrigada a esperar a mãe correr atrás de sei lá o que .
Agora, Mentor, vamos combinar, se aquela criança estivesse pintando aquelas mandalas  ou florestas do Izubesquitino (kkk) seria muito mais saudável, viu? Tá vendo? Lápis de cor não é tão ruim como parece. Cara, você tem que experimentar rsrsrs. Vai se cansar logo, claro, mas é gostoso. É tipo jogar Pet Rescue só que mais boring kkkk

sábado, 7 de janeiro de 2017

Quiririm - o que fazer

Quem passeia pelas ruas da pacata Quiririm nem imagina o começo difícil que tiveram as famílias de imigrantes que aqui chegaram por volta de 1894. Mas isso ficou para trás. Hoje em dia é só alegria celebrada anualmente com muito charme durante a Festa da Colonia Italiana.
Essa capelinha que fica na rua principal desse distrito de Taubaté é uma lembrança dessa época.

Foi fundada em 1895 pelo devoto Benedicto Pires de Camargo.
Outro registro é o Casarão Indiani, que abriga o Museu da Imigração Italiana.
 Na rua principal tem uma paradinha imperdível e fácil de achar, a Linguiças Quiririm.
Tudo caseiro e de ótima qualidade. Cada vez que vou trago algo diferente.
Tem tudo que um adulto "normal" pode querer.
Desta vez notei que em quase todas as casas eles colocaram fotos de família homenageando os antepassados. Estilo de casas do meu tempo de Barretos!
Na mesma rua tem também o Atelier do Fordão, artista popular de lá.
Depois do atelier, entrando à esquerda tem a pracinha com uma vista linda para o Paraíba do Sul. No centro dela fica a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, de 1914.
Passeio feito e levando a sério o nosso #fugindodocalor fomos para o restaurante
Casa da Elisa.
Por mais que eu experimente os outros restaurantes da região, acabo sempre aqui. Já contei com detalhes AQUI sobre a Elisa e sua história.
Tenho várias razões para gostar desse restaurante: parece que a gente está no quintal da casa de uma amiga mesmo, tem sombra de várias jabuticabeiras e a comida é honestíssima e as porções são grandes.
Sabe quando o molho de tomate é de verdade?
Comemos esse nhoque de abóbora com pesto. O canteiro saudável de manjericão ficava alí do lado. Tudo "real food".
Dei sorte de novo de pegar a época dessa jabuticaba amarela, fruta em extinção que só vi lá no pomar da Elisa. Pense numa jabuticaba grande!! Só que é outra fruta, também conhecida como cambucá.Até o pé é igual e as frutas nascem grudadas no tronco também.
Estrategicamente,  Quiririm ainda fica a caminho de Campos do Jordão que contei AQUI e AQUI, então, se tiver tempo, vale a pena continuar viagem.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Monteiro Lobato - Fugindo do calor -

Esse verão tem sido insuportável! Então, quando minha amiga me chamou para ir para Monteiro Lobato, naquele restaurante que eu adorei e que contei AQUI, topei na hora.
A viagem até lá já é bonitinha, com cenas montanhosas lindas a cada curva e muitas vezes os bambuzais se encontram cobrindo a estrada. A foto não ficou boa e não tem acostamento na estrada. Não se deixe distrair por esse detalhe, viu?
O restaurante Beira do Riacho continua charmoso. Alguns detalhes na decoração mudaram, o que é bom e fui descobrindo aos poucos.
Esse muro na entrada com garrafas de cerveja é novidade.
A gente percebe quando os donos se preocupam com os detalhes.
A dona estava de férias, uma pena, mas foi gostoso.
A cama patente na beira do rio ficou charmosa e pudemos nos dar ao luxo de nos refrescar no riacho ( que é bem rasinho) e depois deitar na sombra, na grama, para dar uma "meditada" rsrs.
A água é limpinha e fresca e um pouco mais acima, no estacionamento do restaurante, tem um pessoal que cobra para se ter acesso à uma cachoeira. Para os que estão no restaurante, não tem cachoeira, mas nem precisa, é super agradável.
 O chão do restaurante é de terra batida e tem um enorme fogão á lenha onde a comida é servida por quilo nos fins de semana. O PF do desse dia foi exceção porque os donos estavam de férias.
Repare nos garrafões encrustados na parede!
 Achei muito honesto o preço. Minha conta deu R$ 40,00. Tomei um café, uma água, uma caipirosca, meio PF ( arroz, feijão, carne com batata e salada simples) e um picolé. O PF estava uma delícia, tipo casa da mãe, sabe?
Tipo de programa que eu gosto. Pouca gente, sem stress e sem frescura. Detalhe, só abrem nos fins de semana.