Virginia Costa

domingo, 20 de setembro de 2015

John Brocke - Glenbow Museum - Calgary

Eu adorei esse museu! Tem 4 andares e todos os assuntos me interessaram. A exposição do momento é do John Brocke, (1953-2009) um pintor de Calgary que morreu precocemente num acidente de carro. Seus quadros são enormes, dramáticos, cheios de detalhes e intrigantes.
 Aurora, Óleo sobre linho. Esse é o quadro mais pessoal dele. Nele vê-se o artista com duas mulheres sentadas à esquerda  e seu filho nos braços dele. A dinâmica atraente entre as figuras é enfatizada pela divisão da composição pelo projetor de tela. Na tela Brocke recriou o famoso ícone macedônico da anunciação de Ácrida, do século XIV. Ícones tradicionais são para ilustrar o eterno.São objetos visíveis que descrevem o invisível e, como tal, não são considerados arte, mas sim objetos sagrados. Esta noção sustentou a filosofia artística de Brocke e de certo modo permitiu que ele criasse seus próprios ícones. Humilde, Brocke se sentia ligado a pintores de ícones já que o trabalho deles foram criados para servir aos outros através da criação de objetos sagrados.
 
Nikki and Julie. Os personagens que Brocke pintava eram diversos e frequentemente inesperados. Nesse caso ele escolheu as filhas de uma amiga. A postura entediada e a expressão das irmãs capta uma honestidade desinibida que só as crianças, separadas do mundo adulto, podem expressar.  
 Tim, 1982. Olhar alguma coisa é, de alguma forma, nos tornar um com o objeto ou pessoa. Brocke não só quer que você olhe para o quadro como também, frequentemente, o quadro olha para você. Não importa se humano ou animal, tem sempre uma figura nos seus quadros que parece ter consciência da presença do visitante. A  tensão criada por esse confronto é provocadora e encorajadora. Em Tim, Brocke retratou um jovem cego vestindo seu terno favorito, sentado em seu sofá confortável. Por falta da habilidade de ver e de se engajar no olhar recíproco, Tim se inclina para ouvir atentamente.
 
Ele pintou poucos quadros, demorava meses para terminar, era um perfeccionista.
Nessa exposição, 19 quadros.
John, Dovie, John, 1985 A inclusão de indivíduos com problemas de desenvolvimento é bem controvertida na arte por parecer uma exploração ou sensacionalista. Brocke deixou isso de lado representando os personagens desse quadro de forma não sentimental, informal e honesta. Ele afirmou que queria mostrar a verdadeira humanidade deles sem negar suas limitações. Este quadro foi patrocinado pela Friends of L'Arche e depois doado para a L'Arche Foundation de Calgary que é uma rede que assiste residencias para pessoas com deficiência. Tragicamente, antes dessa pintura ficar pronta, John ( a direita), faleceu.
Este quadro é enorme e ele aparece com os irmãos, por ordem de nascimento, da direita para a esquerda. Estão em uma floresta queimada de British Columbia, região onde ele passou a infância. Ele organizou essa viagem para a floresta para fazer o quadro. Dos quatro, somente o último olha, surpreso, para o espectador.
Detalhe do Brocke no quadro.
Outro dia mostro as outras atrações do Museu Glenbow.

Nenhum comentário: