terça-feira, 3 de maio de 2022

De São Mateus a Marataízes.

Paramos para comer um pastel na Pastelaria Califórnia, aquela que o pessoal da terra adora. Realmente é muito bom. 
Avistamos o enorme Buda, desta vez, por outro ângulo.
Passamos por Vitória, que tem um centro muito bonito. Uma ponte impressionante.
Passamos pelo Mosteiro.
Atravessamos Vila Velha. É uma cidade bem maior do que imaginávamos.
A Rodovia do Sol daí para frente é linda tanto no lado onde a gente vê o mar como no lado interno com o perfil da serra ao longe, as fazendas lindas nos morros e mais um pouco das plantações de mandioca e agora, abacaxi. 
Passamos por fora de Guarapari, já que havíamos visitado na ida.
Entramos em Anchieta para almoçar. Fomos explorando aos poucos.
Nunca tinha lido nada sobre esta cidadezinha. Ficamos muito surpresas com a beleza e sossego.
Anchieta, ES
Será que é sempre assim essa paisagem idílica que te faz querer ficar contemplando? Tudo simples, pouco explorado, pouca gente.
Um casal de BH que frequenta essa praia há 20 anos falou da sua praia favorita e fomos lá conferir.
Disse que o restaurante Moqueca do Garcia é dos melhores do Brasil. Só passamos na frente.
A praia realmente é bonita. Conhecemos a Praia de Castelhanos, Parati e Ubu.
Anchieta tem a ver com o Padre Anchieta que ali viveu catequizando os índios.
Há o Santuário Nacional de Anchieta onde tem uma igreja e um museu. Estava tudo sendo restaurado.
Estátua do padre Anchieta que foi canonizado. Gente, eu preciso ler mais sobre o Padre Anchieta! Por onde passo tem sempre alguma menção a ele. Que ódio de ter sido uma péssima aluna na infância! Eu só queria brincar! Continuando, d
eu para ver de longe a famosa Lagoa do Siri em Marataízes. Muito interessante. Tem um banco de areia e as pessoas podem tomar banho na água doce de um lado e no mar do outro lado. 
Finalmente chegamos à pousada que fica a 14 km depois de Marataízes. Eu e minha amiga Lisbeth, de tanto viajarmos juntas, as tarefas foram sendo distribuidas naturalmente. Ela geralmente decide o destino, gosta de dirigir e escolhe as pousadas. Eu pesquiso o que há para fazer, comer ( taurina!) e descubro as curiosidades sobre os lugares. Formamos uma boa dupla. Eu a coloco em frias muitas vezes e ela também.  É chumbo trocado, de boa mesmo. Quando penso num destino de viagem, é a primeira pessoa que quero ter ao meu lado. 
Bom, essa pousada é literalmente pé na areia. Estava um vento danado na chegada.
Lis, que dirige o tempo todo, ficou bem cansada.
Hospedaria e Restaurante Rosa dos Ventos. 
Caminhei um pouquinho pela praia. O nome certamente é apropriado ao lugar ( em relação ao vento). 
Imagino que seja bem gostosa em dias de sol e com mais animação. Éramos as únicas hóspedes. Estávamos no meio da pandemia, lembram?
Embora espaçoso, não consegui achar graça no quarto. Teto muito baixo.
Cheiro de mofo. Eu sei, praia tem disso. Faz parte. Estava tudo sem movimento nessa época, o atendimento foi simpático e o preço foi dentro do nosso orçamento para uma viagem tão longa. Não há milagres nesses casos.  
Não quero desmerecer nenhuma pousada pela qual passei mas aqui é meu espaço para dar meu ponto de vista e, como mencionei anteriormente, talvez, na alta temporada, com sol e caipirinhas, eu não tivesse me incomodado com nada.
Não gostei do banheiro. O "vitrozinho fake" abria para um tapume, ou seja, sem ventilação.
Fato é que estávamos tão cansadas que eu dormiria em qualquer lugar. No dia seguinte já tomamos o rumo de casa. 
O Estado do Espírito Santo tem morros incríveis e eu não conhecia!
Queríamos dormir em Petrópolis mas a previsão do tempo era péssima. Seguimos então para Penedo debaixo de uma chuva danada. Tivemos que parar num posto na Dutra por uma hora esperando o temporal passar. Não foi brincadeira. Até os caminhoneiros estacionaram para esperar.
Lis reservou então uma pousada em Penedo de última hora. Não daria para chegar até em casa nesse dia.
Penedo, RJ
Penedo é um destino delicioso. O tempo estava chuvoso desta vez e a cidade bem vazia.
Bem diferente da última vez em que estive lá num encontro de motociclistas. Bom, fim da longa viagem que fizemos que durou quase um mês. A primeira parada foi Armação dos Búzios, aliás, um dos posts mais visualizados. A segunda parada foi Guarapari. O terceiro dia incluiu Teixeira de Freitas, São Mateus e Guriri. Clicando AQUI você pode ver todos os posts relacionados a Porto Seguro e redondezas, tudo com ótimas  dicas. 
LEIA MAIS

terça-feira, 12 de abril de 2022

Vitrines Que Encantam

Pense numa pessoa que gosta de ver vitrines!
Sempre registro nas viagens.
Gosto de saber qual material foi usado e sempre imagino o tempo que levou para fazer.
Não deve ser fácil. Os vitrinistas profissionais devem ter uma noite para montá-la.
As vitrines da Anthropologie são sempre bonitas e têm uma pegada artesanal.
Contratam artistas mesmo.
Essas flores foram feitas com papel.
O pavão tem musgo verdadeiro e detalhes com papel.
Nesta coleção aí, ainda da Anthropologie, acho que a artista não teve tempo de terminar.
Isso foi numa outra vez.
Na Anthropologie de Calgary.
Gosto quando conseguem criar um clima com um só elemento também.
Essa foi feita só com lápis.
Aqui fizeram folhas com feltro.
Achei um capricho.
Essa eu vi em Buenos Aires e foi feita com pratos de papel alumínio.
Aqui uma simples que adorei. Vi na Richards de São José dos Campos.
Londres
Loja do Metropolitan Museum of Art, Nova York
Buenos Aires
Miami
Fiquei chocada com esse balcão todo com comidas feitas com perfeição.
As campeãs que fazem sonhar são as vitrines de Londres, principalmente na época do Natal.
Vitrine em Londres
Não tem quem não pare para olhar.
Se você gosta desse assunto, vá à busca do blog e escreva “vitrines” e verá outras postagens.

LEIA MAIS