Virginia Costa

domingo, 23 de outubro de 2016

Glenbow Museum

Esse é um museu para se visitar regularmente. As exposições são ótimas! Mostrei uma AQUI num post ano passado. Desta vez fui de novo. Aliás, fique de olho, o preço regular da entrada para adultos é $ 16,00 mas eu fui numa promoção que durou uma semana por $ 0,50. Pode?
Um show esse urso enorme no hall de entrada.
Todo feito com flores que me pareceram ser de feltro. O urso é um símbolo muito forte no Canadá.
O motivo da promoção era mostrar 50 obras, uma ínfima parte do enorme acervo do museu. Vou destacar só uma da artista  Linh Ly. Chama-se Our Vietnamese Restaurants e é feita com fotos em tom sépia costurados à tela manualmente.
 Ficou uma tapeçaria com aproximadamente 2300 fotos de 40 restaurantes vietnameses. Impressionante.
Acima, uma outra exposição que vi no mesmo dia onde aprendi bastante. Esse tema eu adoro, afinal, fui criada assistindo filmes de cowboys. Era o que tinha para ver no cinema de Barretos.
Para unir o vasto novo "Dominion of Canada" (dominion era um termo usado para as possessões da Coroa Britânica), o governo prometeu fazer uma estrada de ferro. A Canadian Pacific Railway (CPR) ficou pronta em 1885 estabelecendo um link entre as províncias do Leste e British Columbia através do Território Noroeste. Para recuperar o enorme capital investido na ferrovia, a CPR iniciou uma campanha para tornar o cenário do Noroeste e da British Columbia atraentes para turistas e para inspirar orgulho pelo novo Dominion. Ao mesmo tempo a CPR encorajou ativamente a imigração e a colonização vindas dos EUA, Grã Bretanha e Europa.
 Começando em 1885, o governo canadense reservou grandes áreas montanhosas selvagens para o usufruto de futuras gerações. Tanto a CPR quanto o governo promoveram os parques nacionais. Uma forma de fazer isso, além de preservar o cenário montanhoso espetacular em Alberta e na British Columbia, foi criar oportunidades para visitação e caça de animais selvagens ( caçar nos parques nacionais só foi proibido a partir de 1911). Os artistas/caçadores americanos Belmore Browne e Carl Rungius montaram atelier de verão na região de Banff.
Devido ao fato de que mais e mais terras estavam sendo colonizadas pelos recém-chegados, os governos do Canadá e dos EUA comprometeram-se a fazer uma aliança com as Primeiras Nações (com os aborígenes). Os governos queriam assegurar títulos legais para as terras e criar um ambiente pacífico para os imigrantes. 
As Primeiras Nações, devastadas por doenças e privadas de suas fontes de subsistência, entenderam que as alianças seriam acordos para coexistência e apoio mútuos. Ao invés disso eles foram confinados a reservas, abastecidos com rações inadequadas e ficaram sem meios de subsistência. Tem AQUI informações muito mais precisas a respeito disso do que a tradução informal que estou fazendo do que li no museu.
Os criadores de gado estavam entre os primeiros colonizadores do sopé das Montanhas Rochosas e das planícies próximas. Seus rebanhos de gado pastavam nas pradarias onde um dia pastaram bisões. A literatura popular na America do Norte e Europa romantizou o estilo de vida desses criadores de gado; ilustradores e artistas aderiram a esses temas popularizando a cultura cowboy. 
Para assegurar a colonização de grandes regiões de terra semi árida no sul de Alberta, a CPR desenvolveu projetos de irrigação em grande escala, depois de 1900, com água do Rio St Mary e do Rio Bow. A colonização dessas novas terras produtivas foi promovida na America do Norte e no exterior. Junto com o crescimento da colonização nas duas novas províncias criadas de Alberta e Saskatchewan vieram também os artistas para morar nas campinas. Entre eles, Augustus Kenderdine e Roland Gissing, ambos imigrantes da Grã Bretanha. Os artistas logo vieram para celebrar as belezas únicas das pradarias e do cenário sublime das montanhas.
Vastas pradarias no Noroeste abrigaram milhões de bisões, popularmente conhecidos como búfalos. As pessoas das First Nations dependiam do bisão para comida, abrigo, ferramentas e para manter outros aspectos das suas vidas. Grandes rebanhos de bisão ainda pastavam nas planícies do Noroeste quando o artista Paul Kane aventurou-se nesse território em 1846. Quando o artista Frederick Verner veio para Manitoba em 1873 ele viu muito pouco bisões e teve que recorrer ao zoológico para referências nos seus desenhos e pinturas. Mais tarde, quando Thomas Mower Martin veio para o Noroeste pela ferrovia em 1887, o bisão já havia sido exterminado por caçadores brancos e existia somente em reservas especiais.

Daí tinha uma exposição sobre símbolos africanos. E depois uma parte dedicada a personagens da cidade de Calgary.
Esse aí eu adorei a história. O nome: Tom Three Persons. Ele conseguiu vencer o cavalo Cyclone no Calgary Exhibition and Stampede em 1912. O povo prendeu o folego. É que esse cavalo já tinha derrubado 129 cowboys antes. Dizem que foi uma luta daquelas. Ambos eram considerados (outlaws) bandidos. 
Quando o produtor de eventos do Calgary Stampede, Guy Weadick, escreveu para a reserva da First Nations procurando competidores para o rodeio, o agente da reserva Kainai respondeu: Só tem um índio aqui disposto a participar das duas modalidades de montaria (em pelo e com arreio). Ele gostaria de saber se a organização do evento fornece os cavalos pois é impossível para ele conseguir uns bem malvados por aqui. O nome dele é Tom Three Persons.
Mestiço, Tom se dividia entre o catolicismo e a espiritualidade nativa, entre as leis dos brancos e os costumes indígenas, se equilibrava no limite entre a tradição Niitsitapi e a cultura européia. Esse drama acontecia com muitos nativos. Embora tivesse um lado negro que deixava as pessoas cautelosas Tom Three Persons se tornou um dos líderes criadores de animais da reserva Kainai.
Medalha de prata que ele recebeu das mãos da princesa Patricia. Ganhou também mil dólares, troféu e uma sela.
Barbed Wire Bronco. Bronco (cavalo de rodeio) feito com arame farpado. Artista Jeff De Boer's que se inspirou no Cyclone, o cavalo bandido que derrubou 129 pessoas.
Tinha também uma exposição do mundo mineral, coleção do Glenbow Museum.
Tinha também uma parte dedicada aos minerais. Repare nestes, são os mesmos mas eles brilham com a luz negra.
E daí fiquei conhecendo essa pedra, a ammolite. Ela é uma gema rara encontrada com essas cores somente no sul de Alberta. Esse fóssil foi descoberto e usado primeiro pelos índios Blackfoot como um objeto sagrado. 
Uma mulher Blackfoot descobriu a pedra enquanto procura lenha para fogo. De acordo com a lenda ela ouviu um canto muito bonito e seguiu a voz até achar a pedra de ammolite. A pedra disse a ela que era um remédio poderoso e que se ela a levasse para a tribo, ela forneceria alimento para seu povo. 
No dia seguinte, um numeroso rebanho de búfalos foi visto perto da aldeia e desse dia em diante a ammolite passou a ser embrulhada em pacotinhos medicinais e usada em cerimonias de caçada de búfalos.

Nenhum comentário: