Virginia Costa

sábado, 16 de fevereiro de 2013

São Paulo - Spa Igaratá

Pois é, os dias aqui no Spa Fazenda Igaratá não  são assim tão tranquilos o dia todo. Este cantinho é o meu predileto. Mas vamos ao que interessa.
 Eu nunca havia feito a maioria das atividades, a hidro ginastica, por exemplo, achei que era uma coisa bem terceira idade mas foi puxada para mim.Tem duas por dia.
Outras atividades, como o jump, tem algumas vezes na semana. Esta professora é incrível. Que preparo! Pulando feito louca ao som de  gangnam style. Fiquei assutada e só fiz uns dois minutinhos com medo de infartar.Daqui uns dias arrisco de novo.
As caminhadas são legais, cada um no seu ritmo, cada um literalmente carregando seu peso e todos no mesmo barco.
Tai Chi lá em cima, no heliporto, com vista bonita e som de cachoeira.Um pouco de tudo para nos manter ativos.
Terapias corporais, todas, drenagem, massagem, limpeza de pele, gomagem, manicure,etc, tudo mesmo. Os profissionais são ótimos e todos os hóspedes voltam dizendo que estão nas nuvens.
 Duas vezes por semana, aula de artes com o Robélio que também fornece com a esposa os pães integrais e outras coisas naturais para o Spa.
  Existe uma filosofia aqui de reciclagem, as canecas tem o nome de cada um (canetinha) para evitar copinhos descartáveis. Olhem que legal esta parede com vidros!
Viveiro de plantas e também um viveiro grande só com ervas medicinais que são usadas nos chás, comidas e nas terapias corporais.Tem workshop sobre as ervas também.
 A recepção, o salão de ginástica ao longe, o refeitório e alguns pingentes de um casal de japoneses que expõe aqui semanalmente.
 As instalações são simples, só tem o essencial mas são impecáveis. As mocinhas lavam até as telinhas contra insetos, tiram o pó do ventilador de teto e trocam as toalhas diariamente. Achei o ponto forte a limpeza, coisa difícil quando se está numa fazenda e também a gentileza de toda a equipe. Tudo muito flexível.
 
 A dieta e um exemplo de programação, abaixo. O proprietário Dr. João Carlos César Soares, endocrinologista, é adepto da dieta dissociada, aquela onde a gente não deve misturar carboidratos com proteínas. Aos sábados ele dá uma palestra, hoje teve, ouvi uma parte e gostei muito.
 Eu adoro ver animais e tenho me divertido aqui passeando. A maioria vive livremente, com exceção de uns poucos pássaros mais sofisticados. Os cisnes negros já deram filhotes, tem uns sete soltos e esta mamãe abaixo eu vi botando o ovo e depois o casal preparando o ninho para chocar.
 Só falta ver o bicho preguiça. Tem também pavões e faisões soltos. O sagui é femea e tem um nome engraçadinho que esqueci.
Pretendo ficar seis dias, estou no terceiro. Que Deus me de forças. Difícil mudar nossos hábitos nesta idade mas o importante é não desistir. Alguns aqui já são frequentadores regulares. Outro detalhe, pode-se trazer crianças e cachorro. Se vier, traga lanterna, repelente e guarda chuvas pois os quartos são um pouco longe do refeitório.

ATUALIZANDO em 14 de Outubro 2015. Estive lá de novo, nada mudou, até encontrei pessoas que estiveram lá da outra vez. Estou indo novamente daqui uns dias. Depois conto.