Virginia Costa

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Guaratinguetá - Dicas

Eu moro em um lugar tão privilegiado e perto de tantas cidades interessantes! Ultimamente resolvi deixar a preguiça de lado e botar o pé na estrada. Dá para fazer uma série de "bate-voltas" interessantes.
Para quem sai de São José dos Campos, direção Rio de Janeiro, pouco antes de Caçapava tem um posto de gasolina que não tem como deixar de ver. Sempre paro aí porque gosto da loja ao lado. 
Tem vidros grandes de palmito de pupunha, pimentas, sucos de uva, tapetes de lã de carneiro etc. Dá para garimpar de tudo.
Seguindo viagem, pode-se parar em Taubaté para conhecer as figureiras. Fiz um post AQUI a respeito. Mas vamos ao motivo dessa viagem, a La Bufalina Gordinhas fazem de tudo por uma iguaria! Entre no KM 65 da Dutra e pergunte pelo Shopping Buriti. Quando você vir a loja Zezinho Materiais para Construção, que fica na Avenida JK, fica na rua em frente, Rua Sylvio Gonçalves Dias, 30. Todos conhecem, e nós, mulheres, não temos problema de parar mil vezes para perguntar. Os proprietários, italianos de Salerno, produzem ricota e mussarela de forma artesanal, sem leite de vaca ou conservantes.Eu queria visitar a fábrica mas não é permitido. Também não pude fotografar o interior da loja, mas tudo bem. A empresa  foi fundada pelos italianos Auricchio, uma família originária de Battipaglia, província de Salerno, região onde é produzida a melhor mozzarella de bufala do mundo.  Em atividade desde 1998 no Brasil com rebanho de mais de 500 cabeças. A mozzarela é feita rigorosamente segundo os métodos da região DOC da Itália, onde foi criada. Tem ricota, para os interessados em uma alimentação saudável, cremosa e não possui gordura. Comprei também burrata e doce de leite de búfala (li que é menos doce e muito cremoso).A mozzarella di bufala La Bufalina é totalmente produzida com leite controlado e 100% fresco. Não abre sábados, domingos e feriados, porisso fui hoje.  

 
 Depois, no centro,não deixe de visitar a lindíssima Catedral de Santo Antonio. Adorei o azul, o altar, as pinturas no teto, tudo. Foi uma surpresa.
 Erguida em 1630 ! Reparem no órgão de 800 tubos!  Aqui o Frei Galvão foi batizado em 1739 e  rezou a primeira missa em 1762. Minha mãe falava demais nele. Ele levitava e aparecia em dois lugares ao mesmo tempo para cuidar dos doentes. Tinha dons sobrenaturais e era franciscano.
 Belos traços barrocos, forro de madeira azul. Na entrada, se pedirem, eles entregam as famosas pílulas. Só consegui três. Minha mãe me deu quando fui ter o primeiro bebê e eram tão antigas que fiquei com medo de morrer de infecção rsrsr. Mas deu tudo certo. Vou guardar também para quando minhas filhas tiverem nenê ou alguém estiver gravemente doente. Elas são feitas de papel e contêm uma jaculatória invocando Nossa Senhora.
 A imagem de Santo Antonio de Pádua e Lisboa tem um metro e meio. É de barro cozido policromado. Sua origem é paulista/sul-fluminense e datável do século XVI/XVII. A restauração foi executada por Cristiana Cavaterra.
  Detalhe da flor no forro,de onde pendem os lustres.
 Ali pertinho, visite a casa onde ele nasceu em 1739, mas a casa é anterior a isso. A edificação original, em taipa e pau a pique, foi reconstruída. O piso é original. 
Considerado santo ainda em vida, foi beatificado pelo Vaticano em 25 de Outubro de 1998 e canonizado em 2007 com o título de Santo Antônio de Sant' Anna Galvão.
Interior da casa. Ele se consagrou a Nossa Senhora da Imaculada Conceição assinando o ato com seu próprio sangue.
Relíquias de Frei Galvão, Patrono da Construção Civil, título outorgado pelo Papa João Paulo II em Outubro de 2000.
 
 Oratório da família do Frei, do século XVIII. Nossa Senhora da Imaculada Conceição, inspiradora das pílulas de Frei Galvão. Ele morreu em 1822 e está sepultado na Capela do Mosteiro da Luz que ele mesmo fundou e construiu para religiosas. Foi quando ele se destacou como arquiteto. 

Bem em frente tem o Memorial com objetos da família dele e uma fonte com água benta. Acredite se quiser, saí de lá muito em paz. Adorei saber mais sobre ele.
Daí peguei a Dutra de novo, sentido Rio. Encasquetei que queria experimentar o conhecido pato com laranja do Restaurante O Paturi. No km 58, passe embaixo do viaduto e vire 90 graus, senão você passa a entrada. Mesmo sabendo eu errei. (12)3132-1975. Funcionamento: Segunda, fechado. De terça à quinta, das 11 h  às 16 h e das 18 h às 22 h . Sextas e sábados, das 11 h às  22 h. Domingo, das 11 h às 17 h . 
Encontrei o que eu já esperava, um restaurante antigão honesto. Não tive coragem de pedir o pato porque achei caro, R$ 72,00. Pedi o prato executivo (R$ 40,00) que veio com esse patê de foie gras que não achei nada de especial. Os garçons são gentilíssimos.Derrubei duas vezes o guardanapo e "voaram" para trocar.
Escolhi uma truta que fazia parte do prato executivo que inclui a sobremesa também e café. Estava ótima, achei que não iria dar conta, imagine rsrs. Poderia ter uma apresentação melhor, não acham?
Interior do restaurante. Quando a gente recebe visita de fora e não sabe onde levá-la, esse é um roteiro gostoso. Ainda pode-se parar no Santuário Nacional Nossa Senhora Aparecida ou na Fazenda Nova Gokula, perto de Pindamonhangaba, que vai ser meu próximo passeio.

Nenhum comentário: